domingo
24 de setembro de 2017

 
 
Portugues   English
 
     
ADMINISTRAÇÃO
AVANÇA PG
CIDADANIA
CONSELHOS MUNICIPAIS
CULTURA
DEFESA CIVIL
DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO
DOWNLOADS
EDUCAÇÃO
ESPORTES
FINANÇAS
GABINETE
GALERIA DE FOTOS
GOVERNO
HABITAÇÃO
JORI 2017
JUVENTUDE
MEIO AMBIENTE
OBRAS
PLANEJAMENTO
PLANO DIRETOR
PROMOÇÃO SOCIAL
SAÚDE
SEGURANÇA
SERVIÇOS URBANOS
SERVIDORES
TRÂNSITO
TRANSPORTE
TURISMO
URBANISMO
Foto: Alexandra Giulietti
 
Eudóxia de Barros defende a preservação dos ritmos brasileiros
Musicista critica a pobreza da música popular atual
28/11/2008 | Lorena Flosi , MTB: 40.295
 
Natural de São Paulo, Eudóxia de Barros vem de uma família bem brasileira, amante da música e da cultura de seu País. Com a avó paterna conheceu os primeiros acordes do piano, instrumento que a consagrou como uma das maiores musicistas eruditas do Brasil, com grande reconhecimento no exterior. Da família, Eudóxia traz o gosto pela música nacionalista, que privilegia em seus concertos. Incansável aos 71 anos, mantém uma agenda repleta de apresentações nos mais diversos pontos do País, sempre com o compromisso de execuções impecáveis. Em entrevista exclusiva ao PG Notícias, Eudóxia de Barros fala de sua relação com a música, o amor ao piano e à cultura brasileira.

PG Notícias – Como você escolhe seu repertório?
Eudóxia de Barros – Gosto muito dos clássicos românticos e modernos, mas sempre procuro privilegiar a música brasileira. Como tenho um público diversificado, opto por um repertório que agrade a todos: há os que preferem Mozart e os que adoram os compositores contemporâneos. Tento incluir todos em meu programa. Mas toco pelo menos um terço de músicas brasileiras.

PG – Mesmo no exterior?
Eudóxia - Mais ainda! Sobretudo porque lá o público busca muito a novidade, composições diferentes. A música brasileira é muito bem-vinda lá fora. Não só na Europa, mas também na América Latina. Recentemente estive na Bolívia, e recebi inclusive pedidos de partituras de canções brasileiras inclusas em meu repertório.

PG – Na sua opinião, qual o motivo desse sucesso?
Eudóxia - O ritmo, que é muito peculiar. A toada caipira, por exemplo, agrada muito, e não há nada parecido do mundo. Nossa cultura, de um modo geral, é muito rica. Você viaja pelo Brasil, e encontra diversos países diferentes dentro de um mesmo território. Cada pedacinho desse País é um universo cultural incrível. Eu digo que já morei em muitos países, mas não por muito tempo. Essa é a minha pátria, singular. Não há nada que se assemelhe ao Brasil.

PG – Quais seus compositores prediletos?
Eudóxia - Osvaldo Lacerda, Camargo Guarnieri, Villa-Lobos... prefiro a linha nacionalista, de composições baseadas em músicas do folclore brasileiro. Claro que existem outros muito bons e mais modernos, como Ricardo Tacuchian e Jorge Antunes, que toquei hoje, por exemplo. Eles fazem música como no mundo inteiro, sem aquele toque de brasilidade. Mas são composições bonitas, agradáveis de tocar.

PG – E na música popular?
Eudóxia - Infelizmente, acho que a música popular hoje em dia é muito pobre. A música sertaneja que temos na mídia, por exemplo, não tem nada a ver com suas raízes, com as belas modas de viola. Há alguns compositores que admiro, como o Zeca Pagodinho. Acho fantástico! É um sambista legítimo, que privilegia a música nacional. No sertanejo legítimo, Tonico e Tinoco merecem reconhecimento. Também admiro compositores como o Caetano Veloso. Que afinação! Mesmo tendo uma voz pequena, consegue se colocar como um cantor afinadíssimo, além de ser um grande compositor.

PG – A que você credita o empobrecimento da música popular?
Eudóxia - Nesse ponto, acho que o processo de globalização prejudica muito. O que se pretende é unificar o mundo inteiro, em todos os aspectos: mesmo tipo de música, de literatura, cultura unificada. As músicas tipicamente brasileiras como o Reisado e o Maracatu estão desaparecendo junto com as festas tradicionais. Precisa haver um movimento de preservação e incentivo a isso, a base de nossa música, inclusive da erudita.

PG – De onde veio o gosto pela música erudita e pelo piano?
Eudóxia - Havia um piano em casa, tocado pela minha avó paterna. Ela executava tanto músicas eruditas quanto populares, mas como um hobby. Eu e minha irmã ficávamos ali, na sala, escutando, nos deliciando. Meus pais acabaram contratando uma professora e, assim, comecei meus estudos. Tive aulas com ótimos professores, como Karl Heim, ex-discípulo de Kempff; Magda Tagliaferro, que me levou para estudar na Europa; Camargo Guarnieri e Guilherme Fontainha, com quem posso dizer que realmente aprendi piano.

PG – Em que momento você se decidiu pela profissionalização?
Eudóxia - Quando tinha nove anos, meu professor de alemão me perguntou o que eu pretendia do piano: ser professora ou tocar só para mim? Eu disse que queria sair pelo mundo afora tocando piano. E a partir daí não teve mais volta.

PG – E em que momento se lembra de realmente ter se sentido uma pianista profissional?
Eudóxia - Aos sete anos, na ocasião da chegada dos expedicionários brasileiros após a Segunda Guerra Mundial. Era década de 40 e minha tia era diretora de um colégio tradicional de São Paulo, o Ginásio Sttaford. Esse ginásio ofereceu um grande almoço a eles, e eu e minha irmã tocamos para os convidados. Me marcou muito, não só pela apresentação em si, os aplausos e tudo mais, mas por ver aqueles jovens e de muletas, feridos, alguns mutilados. Foi quando senti pela primeira vez a responsabilidade de tocar para outras pessoas.

PG – Você acha que música erudita tem espaço suficiente no Brasil?
Eudóxia - Acho que temos mais espaço do que 20 anos atrás, mas hoje a concorrência também é maior. Atualmente no Brasil dão preferência à ópera ou a orquestras. Resumindo, as grandes produções, com muita gente no palco. Desconsideram os recitais, que é espetáculo muito mais difícil de ser executado, pelo fato do recitalista estar sozinho no palco.

PG – O que você acha que é necessário para que a música erudita atinja um número maior de pessoas?
Eudóxia - Acho que o gosto pela música de qualidade, seja ela erudita ou não, deve ser incentivado durante a formação. Uma lei recente determina a volta do ensino de música e artes nas escolas, mas acho que isso tem de ser muito bem pensado. Não pode ser uma obrigação chata, onde se privilegie o ensino da técnica, até mesmo porque nem todo mundo tem aptidão para música. Tem de ser prazeroso, talvez com ensino da história da música, amostragem de instrumentos e principalmente o ensino da apreciação musical.

PG – Hoje você pode dizer que é uma musicista realizada?
Eudóxia - Realizada a gente nunca se sente. O que eu mais desejaria é tempo para recordar tudo o que já estudei e ter tudo nos dedos. Mas eu sei que não há como. Estudo um repertório diferente por ano, mas o do ano anterior se perde, não há como manter ativo na memória e na prática. Infelizmente é um sonho impossível. Teria de me dedicar apenas ao estudo, e aí deixaria de ser pianista, de me apresentar, o que para mim está fora de cogitação.

Comente esta notícia:
comentepgnoticias@gmail.com



    página anterior topo da página
 
 
 
 
 
 

 HOME
 A CIDADE
 ESTRUTURA DE GOVERNO
 SERVIÇOS ONLINE
 NOTÍCIAS
 OUVIDORIA
 PORTAL DA TRANSPARÊNCIA
  Acompanhe Praia Grande
nas Redes Socias