quarta-feira
22 de outubro de 2014

 
 
     
ADMINISTRAÇÃO
AVANÇA PG
CIDADANIA
CULTURA
DEFESA CIVIL
DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO
DOWNLOADS
EDUCAÇÃO
ESPORTES
FINANÇAS
GABINETE
GALERIA DE FOTOS
HABITAÇÃO
JUVENTUDE
MEIO AMBIENTE
OBRAS
PLANEJAMENTO
PLANO DIRETOR
PROMOÇÃO SOCIAL
SAÚDE
SEGURANÇA
SERVIÇOS URBANOS
SERVIDORES
TRABALHO
TRÂNSITO
TRANSPORTE
TURISMO
URBANISMO
Foto: Edmilson Lelo
 
Praia Grande tem creche para maiores de 60
A iniciativa é pioneira no País
19/12/2007 | Melchior de Castro, MTB: 15.702
 
Só foi em 1881 que a palavra creche passou a definir uma instituição pública de assistência social que, durante o dia, abriga e alimenta crianças cujos pais trabalham fora. Mais de 120 anos depois, já em 1997, a mesma palavra ganhou dimensão ampliada em Praia Grande. Passou a definir também local que abriga, alimenta e oferece assistência médica e suporte social a quem tem mais de 60 anos e os filhos trabalham fora. Trata-se da Creche do Idoso, uma iniciativa pioneira no País.

“Muitas vezes fica difícil conciliar a atividade profissional com o cuidado permanente com os pais idosos”, afirma a assistente social Vânia Gimenez, chefe da Divisão da Terceira Idade. “Com a creche, os idosos não ficam isolados em casa enquanto os filhos estão no trabalho. Mas também não perdem o contato com seus familiares, o que é fundamental”.

Diferente de um asilo, onde a permanência é em regime de internação, na creche os idosos passam apenas o dia – das 8 às 17 horas – de segunda a sexta-feira. “Os filhos podem trabalhar tranqüilos porque aqui sabem que seus pais ficam longe da depressão, do isolamento. Aqui há convivência, movimento, vida”, enfatiza Vânia Gimenez.

Na faixa etária de 63 a 93 anos, os idosos da creche instalada no Espaço Conviver Guilhermina recebem assistência multidisciplinar em período integral e contam com plantão de serviço social exclusivo. “São levados para consultas médicas inclusive na Capital. Caso haja necessidade, recebem cesta básica de alimentos e assistência na obtenção de documentos”, detalha Vânia.

A Prefeitura também oferece transporte da residência até a creche caso os filhos não tenham condições de levar os pais. “Todo o atendimento é gratuito”, frisou Vânia. Clínicas ou casas de repouso particulares cobram, em média, R$ 500,00 somente pela permanência diurna do idoso. Caso a família decida pela contratação de um profissional particular, um auxiliar de enfermagem, por exemplo, terá de desembolsar R$ 600,00 mensais somente pelo período diurno, mais os encargos trabalhistas.

“Aqui funciona como um centro-dia de atendimento. Nossa ação previne o internamento do idoso em uma casa de repouso ou asilo. Oferecemos condições para que o idoso não perca o vínculo familiar”, destaca Vânia, informando que a creche tem capacidade para 30 senhores e senhoras. “Temos também uma segunda unidade, aberta este ano no Espaço Conviver Caiçara, onde há mais 20 vagas”.


Projeto pioneiro desperta a atenção de outras cidades


O sucesso da criação da Creche do Idoso já ultrapassou os limites de Praia Grande. Com a divulgação da iniciativa pela internet e em diversas reportagens produzidas por jornais e emissoras de tevê, municípios de vários pontos do estado e organizações não-governamentais se interessaram em conhecer de perto o trabalho.

“Recentemente recebemos representantes de Santa Fé do Sul, Hortolândia e Peruíbe, entre outros municípios. Vieram ver de perto como funciona o sistema que tem obtido excelentes resultados”, informa a pedagoga Neuracy da Cunha Gomes, diretora do Espaço Conviver Guilhermina.

Proteção – Quem visita a unidade, na Rua Praia dos Sonhos, via paralela à Avenida São Paulo, se surpreende com as instalações. Logo após cruzar o alto portão de madeira, o visitante se depara com uma ampla área gramada com solário e piscina, onde ocorrem aulas de hidroginástica.

Já na casa principal, que concentra as atividades administrativas, chama a atenção a confortável sala de estar com tevê, biblioteca e ampla área para confraternizações. Em anexo está a cozinha, onde há aulas de culinária, com os próprios idosos preparando o lanche da tarde.

No outro extremo do amplo jardim, um agradável pavilhão coberto com mesas e cadeiras, perfeito para jogar, conversar ou desenvolver alguma atividade manual. Ao lado, a sala de descanso, com camas e sofás. “As camas estão sempre vazias. Oferecemos tantas atividades que ninguém gosta de passar o dia deitado”, afirma Neuracy Gomes.

A pedagoga faz questão de destacar a alimentação balanceada oferecida aos “matriculados” na creche. Logo na chegada, às 8 horas, recebem café da manhã. Depois, tem o almoço e, à tarde, lanche. Para os hipertensos ou portadores de diabetes há pratos diferenciados. “Eles recebem uma alimentação equilibrada e saudável. Em casa, por estarem muitas vezes sozinhos, acabam abusando dos doces, frituras. Ou então não se alimentam direito. Aqui, acompanhamos de perto cada um deles”.

Com a alimentação correta, muitos conseguem reduzir as doses de medicamentos. Mas não é apenas o corpo que agradece. “Há mudança também no humor”, frisa Neuracy. “Há aqueles que chegam aqui com baixa auto-estima, deprimidos por não terem com quem conversar o dia inteiro. Em poucas semanas isso muda drasticamente. Não só se livram de medicamentos contra a depressão como também passam a ter mais prazer em viver. Não são poucos os que se queixam dos feriados e finais de semana, quando a creche está fechada. Eles adoram freqüentar esse espaço. Fazem novos amigos. Resgatam um vínculo com a comunidade”.

Confira a programação do Espaço Conviver Guilhermina e da Creche do Idoso:



    página anterior topo da página
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 HOME
 A CIDADE
 ESTRUTURA DE GOVERNO
 SERVIÇOS ONLINE
 NOTÍCIAS
 OUVIDORIA
 PORTAL DA TRANSPARÊNCIA
  Acompanhe Praia Grande
nas Redes Socias