Brasão de Praia Grande  

domingo
5 de fevereiro de 2023

 
 
     
ADMINISTRAÇÃO
ASSISTÊNCIA SOCIAL
ASSUNTOS INSTITUCIONAIS
AVANÇA PG
CIDADANIA
CIDADE TOTAL
CONSELHOS MUNICIPAIS
CORONAVÍRUS - COVID-19
CULTURA
DEFESA CIVIL
DOWNLOADS
EDUCAÇÃO
ESPORTES
FINANÇAS
GABINETE
GALERIA DE FOTOS
GOVERNO
HABITAÇÃO
JEESP 2022
JOMI 2022
JUVENTUDE
MEIO AMBIENTE
OBRAS
PLANEJAMENTO
PLANO DIRETOR
PROGRAMA CIDADE SUSTENTÁVEL
SAÚDE
SEGURANÇA
SERVIÇOS URBANOS
SERVIDORES
TRÂNSITO
TRANSPORTE
TURISMO
URBANISMO


 
Mostra Educação Física: projetos evidenciam eficiência de professores
A 14ª edição do evento teve a participação de mais de 400 pessoas em dois períodos
9/11/2022 | Daniel Elias, MTB: 59.233
  Compartilhar no Whatsapp
O olhar criativo e proativo do professor traz resultados significativos na sala de aula e nas quadras também. Os projetos apresentados pelos educadores durante a 14ª Mostra de Educação Física 2022 permitem essa conclusão. O evento ocorreu nesta terça-feira (8), no Auditório Jornalista Roberto Marinho, no Bairro Mirim, e reuniu mais de 400 pessoas divididas nos períodos da manhã e da tarde.

O encontro foi organizado pela Coordenadoria de Esporte e Complementação Educacional da Secretaria de Educação (Seduc). Ao todo, foram apresentados 18 projetos desenvolvidos por professores de educação física que atuam nas escolas de Educação Infantil e Ensino Fundamental da rede municipal de ensino. A cada iniciativa exibida, os educadores buscaram compartilhar com os demais colegas as boas práticas adotadas.

Foi o caso do professor Roberto Carlos da Costa Belini que apresentou o projeto Roundnet para Todos, desenvolvido com alunos da Escola de Complementação Sonia Marise Domingues, situada no Bairro Vila Sônia. O educador conheceu a prática esportiva no 1º Horário de Trabalho Individual Coletivo (HTPC) noturno promovido pela Coordenadoria no meio do ano.

Ao ter primeiro contato com a modalidade viu a possibilidade de levar para a escola. Por não ter o equipamento adequado que seria o set (espécie de mini cama elástica de tela) precisou adaptar e usou o bambolê como base para a prática. Passou as regras e a forma de jogar para os alunos que logo adotaram o esporte. A inserção da novidade resultou no 1º Festival de Roundnet, envolvendo as dez escolas de Complementação Educacional.

Na EM Sonia Marise, a chegada do esporte fez a diferença na vida de uma das alunas. “Todos adotaram a modalidade, mas para esta foi especial. Por algum motivo as demais crianças não gostavam de brincar com ela. Durante o Festival, interagiam entre si e essa jovem ficava de lado. Por ironia do destino, ela foi vencedora da competição. Os demais colegas agora só querem ficar perto dela. Virou a popular da escola”, exemplificou.

Para o professor Belini, o educador precisa estar atento as possibilidades e saber tirar o melhor resultado de cada aluno. “Eu não imaginava que teria esse fechamento. Quando propus a prática do esporte é porque achei divertida, diferente e hoje eles pedem para jogar Roundnet. Tive a oportunidade de fazer a diferença na vida dessa aluna. Que a gente tenha esse olhar. Seja de um, dois ou três estudantes. Mas entregue o seu melhor”.

Picadeiro – O olhar diferenciado não ficou apenas na prática do Roundnet. Duas professores viram a possibilidade de trazer o circo para as aulas de educação física. Foi o que fizeram as docentes Letícia Cristina Alves e Uliciane Leite Torquato Braz. Elas lecionam respectivamente nas escolas Natale de Lucca, localizada no Bairro Quietude, e Hilda de Carvalho Guedes, no Samambaia.

Leticia Alves apresentou o projeto nomeado Conhecendo o Circo que desenvolve com alunos do Infantil I e II da unidade. Ela inseriu as técnicas circenses com as crianças por meio de jogo da memória. A cada par encontrado durante a brincadeira ela explicava quem era aquele personagem e o que ele fazia. Uma vez contextualizada a temática com os estudantes, a educadora seguiu para a parte prática.

Entre as ações promovidas, a docente realizou atividade de equilibrista ao conduzir os alunos no slackline e ao longo do banco. Outra prática circense trabalhada foi o de andar em cima da perna de pau. Para representar, as crianças subiam em duas latas, amarradas por barbante, e se locomoviam pelo pátio. O tecido acrobático, preso na árvore, também fez parte dos ensinamentos das modalidades artísticas do circo.

Enquanto Leticia Alves levou o circo para a EM Natale de Lucca, a professora Uliciane Torquato trabalhou a temática com os alunos da EM Hilda Guedes. Para levar o conteúdo às crianças por meio do projeto “Desafiando Através de Atividades Circenses e Jogos Indígenas”. Neste, a educadora trouxe além da prática circense, a cultura indígena com foco nos costumes esportivos dessa civilização.

Exemplo – Quem também participou da 14ª edição da Mostra foi o professor de educação física Gilberto Correia Palacius Moyano, que atua na EM Thereza Magri. O docente trouxe o projeto “Aulas Adaptadas com o Professor Deficiente Visual” para compartilhar com os colegas. O educador teve a companhia do seu fiel escudeiro Carlos Alberto dos Santos que o acompanha durante as aulas.

Moyano ingressou como professor na rede municipal de ensino esse ano. Deficiente visual, o educador abordou como foi a sua chegada na escola e as adaptações que ele e a unidade de ensino tiveram de fazer. O docente leciona para alunos do 4º e 5º ano e também explicou como foi a aceitação das crianças. Oriundo das artes marciais, onde ensinou jiu-jitsu por cerca de 20 anos, ele traz muitas técnicas da luta para a rotina de aula.

Além de apresentar o seu projeto, o professor de educação física acompanhou a participação dos demais colegas nos dois períodos. Para auxiliá-lo a entender ainda mais o que os docentes mostravam, a Secretaria de Educação ofereceu o serviço de áudio-descrição. Para isso, contou com a contribuição da assistente técnico pedagógico (ATP) de Inclusão, Lara Arenghi, que narrou passo a passo tudo que era compartilhado.

Evidências – Essa foi a primeira edição da Mostra de Educação Física de forma presencial após o período mais crítico vivido por conta da pandemia. Nos últimos dois anos, a ação aconteceu de forma virtual. O responsável pela Coordenadoria de Esporte e Complementação Educacional, André Luís da Costa Marques, destacou a qualidade dos trabalhos apresentados durante a deste ano.

“Vi no semblante e na expectativa dos professores o desejo da retomada da Mostra de forma presencial. Até porque, este evento, além de trazer reflexão e inspirar outros professores, ele serviu também para aproximar as pessoas”, destacou Marques. “Um corpo experimentado é um corpo vivido. O fato de esses profissionais estarem envolvidos com as concepções do movimento faz com que tenham característica diferenciada e isso foi demonstrado em cada projeto”.

A secretária de Educação, a professora Cida Cubilia, também fez questão de prestigiar as apresentações. Para a titular da pasta municipal, o evento evidenciou a capacidade do docente a se adaptar as adversidades e oferecer um trabalho de qualidade. “Como professores somos lapidados a sermos diferentes das demais profissões. Com certeza foi uma tarde de troca, com todos saindo com mais bagagem do que chegaram aqui”.







página anterior topo da página
Banco de Imagens
 
Pontos Turísticos
 
Câmeras
 
Ouvidoria
 
 
 

 HOME
 A CIDADE
 ESTRUTURA DE GOVERNO
 SERVIÇOS ONLINE
 NOTÍCIAS
 OUVIDORIA
 PORTAL DA TRANSPARÊNCIA
 POLÍTICA DE PRIVACIDADE
 MAPA DO SITE
  Acompanhe Praia Grande
nas Redes Socias