Brasão de Praia Grande  

domingo
4 de dezembro de 2022

 
 
     
ADMINISTRAÇÃO
ASSISTÊNCIA SOCIAL
ASSUNTOS INSTITUCIONAIS
AVANÇA PG
CIDADANIA
CIDADE TOTAL
CONSELHOS MUNICIPAIS
CORONAVÍRUS - COVID-19
CULTURA
DEFESA CIVIL
DOWNLOADS
EDUCAÇÃO
ESPORTES
FINANÇAS
GABINETE
GALERIA DE FOTOS
GOVERNO
HABITAÇÃO
JEESP 2022
JOMI 2022
JUVENTUDE
MEIO AMBIENTE
OBRAS
PLANEJAMENTO
PLANO DIRETOR
PROGRAMA CIDADE SUSTENTÁVEL
SAÚDE
SEGURANÇA
SERVIÇOS URBANOS
SERVIDORES
TRÂNSITO
TRANSPORTE
TURISMO
URBANISMO


Foto: Jairo Marques
 
Sema faz vistoria em empreendimento no Caiçara
Objetivo é acompanhar plantio de compensação ambiental
3/8/2022
  Compartilhar no Whatsapp
Por Ana Gabriela Salu

Praia Grande tem se desenvolvido num ritmo acelerado e cada vez mais vemos empreendimentos imobiliários sendo construídos na Cidade. Tendo isso em vista, a Secretaria de Meio Ambiente (Sema) atua para que a lei de compensação ambiental seja cumprida.

A compensação ambiental tem que ser feita por todos que possuem alguma construção na cidade e em decorrência disso precisam cortar alguma árvore. A maioria dos proprietários optam pela doação de mudas para que a Prefeitura faça o plantio na área que achar mais conveniente. Porém, um empreendimento no Bairro Caiçara se destacou pois foi o primeiro que escolheu fazer a compensação ambiental híbrida: parte com doação de mudas e parte com plantio de árvores no próprio lote construído.

A Sema acompanha o plantio dessas árvores durante 18 meses, recebendo relatórios semestrais e fazendo vistorias no local. Ao todo, os proprietários do prédio doaram 120 mudas e plantaram 20 árvores, sendo: 5 ipês amarelos, 3 goiabeiras, 2 araçás e 10 resedás. A chefe da Sessão de Programas Socioambientais e bióloga, Mariane Laurentino explica porque é importante que os proprietários façam essa compensação no próprio lote. “Para a população local é muito benéfico pois onde foram retiradas algumas árvores, logo temos a garantia de que aquela área verde será restaurada. Além de que, como contrapartida, quando eles escolhem plantar no próprio lote o número de mudas é menor pois pedimos que já sejam mais desenvolvidas”.

A sócio-proprietária da construtora, Juliana Malho, contou que escolheu plantar no próprio lote por motivos pessoais. “Eu acho que a cidade precisa mais de áreas verdes e gosto muito de espaços assim. Quando começamos a construir eu resolvi colocar em prática esse desejo pessoal. Do ponto de vista comercial também foi bom, pois as pessoas procuram cada vez mais lugares com consciência ambiental”.



página anterior topo da página
Banco de Imagens
 
Pontos Turísticos
 
Câmeras
 
Ouvidoria
 
 
 

 HOME
 A CIDADE
 ESTRUTURA DE GOVERNO
 SERVIÇOS ONLINE
 NOTÍCIAS
 OUVIDORIA
 PORTAL DA TRANSPARÊNCIA
 POLÍTICA DE PRIVACIDADE
 MAPA DO SITE
  Acompanhe Praia Grande
nas Redes Socias